1999-2000: Ushuaia – A rota do fim do mundo [Roy Rudnick]

30 de maio de 2011

UMA VIAGEM AO FIM DO MUNDO

PS – As fotos estão ao final do texto. Divirtam-se…


Os sonhos de se fazer uma viagem ao fim do mundo, ou seja, atingir o extremo sul por vias terrestres já vinham de muito tempo, porém não importava qual seria o meio de locomoção. Os comentários com amigos aventureiros colocavam esperança de que um dia poderia se tornar realidade a tão falada viagem ao fim do mundo. Alguns amigos tinham mesmo vontade de participar e chegamos a marcar local, data e até horário previsto para nossa partida, (25/12/1999 às 06:00h, em frente ao antigo restaurante A TOCA, o qual não foi cumprido).

 

Na medida que foram se passando os dias, semanas e meses, alguns imprevistos fizeram com que meus companheiros desistissem da viagem. Foi, com certeza algo que me deixou muito sentido, porém não desanimei, e com muita iniciativa e vontade deixei o meu sonho de lado e parti para os planos, que com certeza, teriam que ser minuciosos. Através de um consórcio comprei uma moto Super Teneré 95, a qual já estava certo que seria a minha companheira, mas como essa compra que foi praticamente sete meses antes da partida, foi possível que eu fizesse várias outras viagens para me adaptar a ela. Já me preocupando também com a programação da viagem, comecei a pesquisar o local pela Internet, mas a quantidade de informações por este meio não foi o suficiente. Escrevi para algumas pessoas que já tinham feito o trajeto, mas também foi complicado, pois foi difícil até de formular as perguntas que deveria fazer, pois a minha viagem seria um pouco diferente por estar indo completamente sozinho. Consegui então falar com o Iguaçu Paraná, antigo conhecido das jipadas de antigamente, e isto foi com certeza uma mão na roda, pois ele tinha experiência de nada menos que seis viagens à Patagônia.

 

Fizemos uma planilha completa de todo o trajeto que eu faria, com referências de kms, postos de combustíveis, camping, pousadas, incluindo os locais que jamais poderia deixar de visitar. Sem dúvida nenhuma, esta foi à ferramenta mais importante de navegação que eu tinha. Enfim, os preparativos foram se concluindo e o grande dia estava por apenas uma noite.

 

Ainda no dia 17/12/99, trabalhei normalmente até umas 17:00h, e quando fui para casa ainda tive que fazer um trabalho de Espanhol. Após isto, finalmente, com a ajuda de minha mãe, minha irmã e seu namorado, que ajeitei os apetrechos para levar junto comigo, tais como: roupa, máquina fotográfica, comida enlatada para possíveis emergências, barraca, saco de dormir, GPS, ferramentas para a moto, incluindo câmara dianteira e traseira, velas, diafragma da bomba de combustível, Spray para pneu, e outros. Foi um tanto quanto demorado, mas no fim deu tudo certo. Ainda anotei a quilometragem da moto, que estava em 31.411,90 Km.

 

Ainda nem o sol do dia mais esperado do ano (18/12) tinha aparecido, eu já me despedia de minha família e me punha em direção sul através da BR 280 (parecia um piá, de faceiro). Eram apenas 6:40h e sabia que aquele dia iria ser praticamente em cima de minha moto. O sol foi de rachar, e o protetor solar, quando comprei já não me adiantou muito, pois naquelas alturas, já estava vermelho igual a um camarão. Com certeza um erro de trajeto já era esperado, porém não no primeiro dia, mas aqueles 80km nas proximidades de Francisco de Assis não representaram muito nos 1.144,70 km percorridos até a cidade de Santana de Livramento. Sem contar do pacote de erva que ganhei do frentista de um posto de combustível em RS que estourou e esverdeou toda a minha bagagem…

 

Em Santana de Livramento, cidade muito interessante por fazer divisa com Rivera-Uruguai e ser separada por uma praça e um fuso horário, fazia muito calor. Calor tamanho, que me fez jogar água no lençol para que pudesse dormir. Mesmo assim não adiantou.

 

Amanheceu o dia 19/12, cruzei a famosa praça e entrei no Uruguai, rumo à cidade de Paysandu. Faltando uns 20 km apenas para chegar lá, fiquei sem gasolina. “Agora deu pra cabeça”, pensei. Comecei a empurrar aqueles duzentos e poucos quilos e, de repente, parou uma Harley-Davidson 1989, pilotada por um americano chamado Tim Riley, que já há 10 anos está morando no Uruguai. Foi uma sorte tremenda, pois ele me deu 2 litros de gasolina e com esses consegui chegar ao próximo posto de combustível. Quando abasteci, me assustei com o preço do litro, pois era quase o dobro do preço do Brasil.

 

Segui então rumo à divisa com a Argentina, onde não queriam me deixar passar, pois eu não havia pego carimbo na aduana de entrada no Uruguai. Estava clandestinamente naquele país. Já estavam bravos comigo de tanto eu chorar e queriam me aplicar uma multa; foi quando sem querer, por força do habito, eu o chamei de “amigo”. O guarda me olhou e me falou: – Ah! Vai embora, vai!

 

Mas o caminho ainda estava longo para aquele dia, pois meu destino era dormir em Santa Rosa. Passando de Buenos Aires, os caminhos começaram a ficar longos e cansativos, porém muito atraentes com os inúmeros marrecões, perdizes, codornas e outros pássaros do local. E também pelas carreatas de maquinário agrícola trabalhando nas colheitas. Em Santa Rosa cheguei quando já era noite, depois dos 1.197,40 km rodados.

 

No terceiro dia (20/12), o meu destino era chegar em San Carlos de Bariloche, para o qual tive que rodar mais 970,40 kms. Neste percurso, antes de cruzar o Rio Colorado, que faz divisa com a Patagônia, eu cruzei o chamado “Cruce dos Desierto”, pela ruta 20. Era deserto e mais deserto. Mas quando entrei na Patagônia é que a coisa ficou boa, pois era a continuação deste deserto mais deserto. Esta paisagem nos faz pensar que, sempre por detraz do próximo morro teremos uma surpresa, porém continua a mesma coisa. Parece que voltamos à estaca zero. Apenas a uns 100 km antes de chegar em Bariloche, é que a coisa começou a mudar, e por estar chegando perto das cordilheiras, esta mudou completamente, pois até a neve começou a aparecer. Em Bariloche armei a primeira vez a minha barraca no Camping “La Selva Negra”, e quando saí para jantar, conheci um Americano louco chamado de Sterling Churgin. Ele estava com uma BMW 1100. A noite já estava bastante fria.

 

Pelo motivo de que minha moto começou a falhar (estava bebendo demais), no dia seguinte (21/12) levei-a no mecânico Chiwi, que deixou-a zero bala. Este foi um dia que aproveitei para descansar, pois tinha que aguardar minha moto ficar pronta. E, nesse meio tempo, conhecendo a cidade a pé, levei até uma cantada de um barbado que ainda tinha a coragem de dizer que não era gay.

 

Bariloche é uma cidade linda, rodeada de montanhas e com um grande lago em sua frente. Naquela tarde, quando minha moto ficou pronta, eu percorri o trajeto do “Chico”, que é um passeio muito bonito. Conheci também neste caminho o casal Eric e Gail Hawes, que já percorreu o mundo em cima de uma BMW 1000.

 

No dia 22/12, quando fui abastecer a moto para seguir viagem, tive uma surpresa. O combustível baixou novamente e estava praticamente no mesmo preço do Brasil.

 

E agora sim, estava indo para o Chile, cidade de Pucon. Mas ainda na saída, dois fatos interessantes aconteceram. O primeiro aconteceu com um canivete suíço que deixei sobre uma mesa no camping em que havia ficado. E não é que o dono do camping ligou para a polícia rodoviária para me avisar deste canivete, e que teria que voltar para pegá-lo? E o segundo fato, foi quando já estava bem adiantado na estrada, a mais ou menos uns 140 km/h, vi três guardas fazendo uma blitz no meio da estrada. Não deu tempo de reduzir e, no momento em que passei por eles, um tirou o boné e fez o gesto como se fosse com uma bandeira, dando a chegada de uma corrida. Só deu tempo de cumprimenta-los, e toquei embora.

 

Nesse dia almocei em uma cidade muito bonita chamada San Martin de los Andes, e isto ainda antes de encarar os primeiros kms do famoso Ripio (estrada de chão com muitas pedras soltas, o que muitas vezes torna-a perigosa, especialmente para motos com pneu próprio para asfalto). De deserto eu já não via mais nada. Uma imagem impressionante que me acompanhou por grande parte da viagem foi o Vulcão Lanin, e também uma serra exuberante, onde passei por alguns caminhos alternativos, os quais não pareciam serem transitados freqüentemente. Na aduana entre a Argentina e o Chile não tive problemas, e assim toquei até Pucon, que é uma cidade completamente voltada para o turismo esportivo.

 

Mas o que me trouxe para aquela cidade foi o que está ao seu lado e que podemos ver a alguns kms de distância: é o vulcão Villa Rica com seus 2.800 metros de altura. E aquele mesmo dia, após ter armado meu acampamento num camping, fui ao Trancura Turismo (agência que faz diariamente expedições para o topo do vulcão). Fiz a minha inscrição e aluguei alguns equipamentos que seriam necessários para a escalada.

 

Às 7:00h do dia 23/12 estáva-mos eu e mais alguns estrangeiros, esperando a condução que nos levaria para a base da escalada, a qual começaria nos 1.400 metros de altitude. Quer dizer, 1.400 metros para apenas 5 pessoas, porque os outros 10 foram mais uns 150m pelo teleférico. No começo eu só imaginava: -“Como são bonecas esses caras”, mas depois… quase concordei com eles. Quando nós, que subimos a pé, chegamos na primeira base, formou-se novamente o grupo e continuamos a escalada. Saímos da base, demos 5 passos e já estávamos escalando na neve, e assim foi até no topo. Para quem vê o vulcão de longe, pensa que é moleza escalá-lo, e foi isso o que eu também pensei. Mas a coisa não foi nem um pouco fácil. No total, levamos cinco horas e vinte minutos para chegar lá em cima. Porém, quando chegamos lá, já vestindo as máscaras para não respirarmos o gás do enxofre, é que vimos algo impressionante. As nuvens abaixo de nós não nos permitiram apreciar a cidade de Pucon e os arredores, mas o que nos impressionou mesmo foi o que vimos dentro do Vulcão. As explosões que se davam naquele buraco manchavam de lava as paredes. Uma imagem de contraste muito interessante, onde, por fora, a neve não chega nem a derreter, e por dentro, a poucos metros a temperatura é tão alta que não podemos nem imaginar.

 

E como para descer todo santo ajuda, a volta foi bem mais rápida. Usando calças especiais de nylon, nós escorregávamos na neve com uma grande velocidade. E isto foi muito divertido. Este dia terminou com uma capotada em minha barraca, pois estava com minhas pernas imprestáveis.

 

24 de dezembro, pelas 8:00h da manhã eu já estava partindo para Puerto Mont, porém não fazia idéia do frio que me esperava no caminho. Cruzei a Região dos Lagos, mas como estava muito frio e nublado, acabei nem aproveitando a paisagem. Um pouco mais ao sul, passando ao lado do Vulcão Osorno, cheguei a vê-lo apenas por alguns minutos pois estava coberto de nuvens. Para compensar a chuva, as Quedas de Petrobué estavam muito bonitas, (Petrobué é um rio com águas verdes que corre no meio das rochas vulcânicas). E nesse tranco fui tocando até Puerto Mont. Cheguei pelas 5:20 h da tarde e fui direto para o porto comprar minha passagem para cruzar, em uma balsa, até Chaiten. Tinha em mãos a programação da embarcação, portanto já sabia que teria uma viagem às 22:00h daquele dia, que era sexta-feira e a próxima viagem seria apenas na segunda-feira pela tarde. Até por este motivo adiantei por um dia a minha viagem, sendo que iria ficar por uma noite no Vulcão Osorno.

 

O espanto se deu quando o homem que trabalhava na venda de passagens estava fechando o seu escritório e disse não ter mais lugar para cruzar naquela balsa. Imagina que eu perderia praticamente 3 dias de viagem por causa de um lugarzinho na balsa. Insisti ao extremo até que aquele cara foi falar com seu superior, o qual também não foi nem um pouco amigável. Acabou e pronto, disse ele. Porém, de tanto eu encher o saco, ele me sugeriu voltar um pouco antes da saída do barco e falar com o Capitão. Dito e feito, falei com um dos tripulantes, que foi um cara superbacana, e conseguiu um lugarzinho para a travessia. Ainda esperando o embarque, conheci um estudante de Engenharia Naval, que tinha perdido o vôo para casa e estava tentando pegar uma carona de navio. Confesso que foi a primeira vez que vejo alguém pedir carona num porto. Conheci também alguns motoqueiros. Dois casais de alemães que trabalham em Campinas, que também estavam com motos Super Teneré e dois Chilenos chamados Luis e Juan Antônio, que estavam descendo a Carretera Austral com uma Honda 400 e outra 250. Chovia e fazia muito frio. Pegamos a balsa onde passaríamos boa parte do Natal, pois o cruze era de 12 horas. Existiam vários bancos, mas todos estavam lotados. Acabei passando a noite de Natal dormindo no chão. Até que foi uma experiência interessante!

 

Chegamos à cidade de Chaiten com muita chuva e frio às 9:00h da manhã. Por sugestão dos alemães fomos todos tomar um bom café da manhã.

 

Dali para frente, a única maneira de se descer o Chile é pela Carreteira Austral, estrada toda de rípio. Para ver novamente asfalto iria demorar alguns dias. Os alemães, os quais eu não mais encontrei, saíram na frente e os chilenos e eu saímos um pouco depois. Os dois eram muito engraçados e também bastante enrolados. Pelo que eu percebi, eles não eram muito preocupados com suas coisas e muito menos organizados. Apesar do sofrimento com o frio e a chuva, rodamos 361,9 km de estrada de chão. Conhecemos as Termas de Amarillo e fomos até Futaleufú que tem as águas mais rápidas do mundo, onde são feitos campeonatos mundiais de rafting. Os lugares são lindos com rochas por todo lado as quais estavam sendo cobertas por neve em seus pontos mais altos. Na Volta de Futaleufú, furou o pneu traseiro da moto do Luís, fazendo com que nós perdêssemos algum tempo com a troca da câmara. Chegamos às 20:00h em Puyuhuapi, onde achamos uma pensão para podermos secar nossas roupas. Acho que foi a melhor noite de sono, pois estávamos precisando de um lugar aquecido.

 

Nono dia de viagem e lá fomos nós percorrer mais quase quatrocentos quilômetros, sendo que a maioria destes foi de puro rípio. A chuva e o frio constante faziam com que nós congelássemos em cima da moto. O que nos animava é que a natureza começou a trazer novidades, tais como os impressionantes glaciares, também chamados de ventisqueiros, que são as formações de gelo que se conservam ainda da era Glacial. O primeiro glaciar foi o Colgante, que descia entre as montanhas e formava abaixo uma grande cascata. Neste dia visitamos também, já na costa do Pacífico, o Puerto Cisnes, Puerto Aisen e Puerto Chacabuco, onde comemos um salmão de primeira, regado de um vinhozinho. Essas paradas sempre eram as melhores coisas do dia, pois podíamos fugir um pouco do frio. Ainda antes da parada para o almoço, que foi às 5:00h da tarde, o Luís atropelou um baita cachorro e por pouco não foi com o cachorro para o chão.

 

Encaramos novamente o frio e seguimos por lindas estradas rodeadas de formações rochosas até a cidade Coihaique. À noite saímos para experimentar algumas cervejas da região.

 

O terceiro dia de Carreteira Austral e último dia da companhia dos Chilenos foi num visual tremendo. O tempo melhorou completamente, mas parecia que o frio tinha aumentado. Passamos pelo lado de alguns lagos cujas águas eram tão azuis que ficava difícil dizer aonde terminava o lago e aonde começava o céu. É uma região de pesca de muita truta e salmão. Quando chegamos na parte sul do lago General Carrera, almoçamos num restaurante solitário e nos separamos. Os companheiros voltaram e eu toquei o barco para frente até Chile Chico.

 

Faltando ainda mais ou menos 100 km até Chile Chico, por uma estrada bastante sinuosa e perigosa de rípio, minha moto começou a estralar na roda traseira. Parei e constatei que a coroa estava completamente solta. Fiquei meio nervoso, pois estava no meio do nada e ainda longe da civilização. O jeito foi seguir devagar para completar a mesma quilometragem do dia anterior.

 

Finalmente em Chile Chico, fui à procura de alguém para consertar a moto, mas o problema maior foi que eu estava em uma cidade muito pequena, onde só existia um mecânico e este só mexia em carros. O interessante é que as pessoas lá do sul começam a trabalhar tarde, mas vão às vezes até meia noite. Esta foi a minha salvação, pois já era perto de 22:00h. Quando o mecânico me falou que não entendia de motos, fiquei preocupado. Comecei a desmontar a roda traseira sozinho e só quando cheguei no problema é que ele começou a me ajudar. Era um rolamento que tinha ido pro pau. Procuramos na oficina mas não achamos nada igual. O jeito seria pedir a peça por avião de Coihaique, mas com certeza demoraria pelo menos um dia.

 

No outro dia levantei cedo, fui até a oficina me encontrar com o mecânico e procuramos outra solução. Comprei outro rolamento e o levei para um torneiro mecânico encamisá-lo. Lá pelas 15:00h eu estava com a minha moto montada, funcionando e pronta para viajar.

Cruzei a aduana novamente para a Argentina, passei pela cidade de Perito Moreno e ainda decidi enfrentar os primeiros kms da famosa Ruta 40. Esta estrada de rípio é famosa por ser um trecho de quase 500 km no meio do nada. É puro deserto, onde tem somente um vilarejo, no km 128, chamado de Bajos Caracoles. E foi até este vilarejo que eu viajei naquele dia. Dava para contar nos dedos o número de casas que existem ali. A minha sorte é que lá tem um posto de combustível e um pequeno hotel para jogar o esqueleto. Antes de dormir, ainda abasteci e joguei conversa fora com o pessoal do boteco.

 

O décimo segundo dia de viagem começou cedo. A intenção, antes de seguir viagem para o sul pela temível Ruta 40, era de percorrer mais 80km (ida e volta) em uma estrada secundária no meio do deserto que leva até a Cueva de Las Manos, que é uma gruta com várias pinturas de mãos de uns 10.000 anos atrás.

 

Carreguei a moto pelas 8:00h e fui tomar um café da manhã bem tranqüilo. Ainda conheci três italianos que estão morando em Brasília. Paguei a minha conta, que não foi barata, me despedi do pessoal, e segui em frente. Mas quando fui fazer funcionar a moto é que a coisa ficou preta. Não pegou. Tentei mais uma, duas, três vezes e nada, nem sinal. Pensei que teria afogado, então esperei um pouco e bati no arranque novamente. Já estava a uns 20 min tentando fazer a maldita funcionar, mas não fui feliz. Chamei o pessoal do boteco para me ajudar a empurrar, no meio deles tinha até um guarda (imagino que seje o único daquela cidade). Empurramos, mas não deu certo.

 

A situação era bem difícil, pois estava no meio do nada, numa cidade onde não tem uma borracharia sequer, quem diria uma oficina para motos. Única coisa que me restava era dar uma de mecânico. Comecei a desmontar a moto. Tirei as laterais, o banco, o tanque, e quando estava para abrir o carburador, percebi que já estava juntando peças demais. E depois pensei: abrir o carburador e fazer o quê? Sem achar o problema, passei a montar a moto novamente.

 

Ainda quando estava com a moto desmontada, chegou de bicicleta um escocês de mais ou menos uns 65 anos. Entrou no boteco, pediu para tomar um banho, fez um lanche e seguiu viagem por aquelas estradas, completamente sozinho. Isso eu diria que é força de vontade, pois com aquela idade, e de bicicleta, não é qualquer um que faria. Ele me contou que, certa vez, foi de Recife até Foz do Iguaçu pedalando.

 

Quando saiu, desejou-me sorte, e disse que gostaria que logo eu pudesse passar por ele na estrada. Foi o que eu gostaria também, mas estava um pouco difícil sem ter muita noção de mecânica.

 

Lá pelas 10:30h da manhã, chegou o dono do hotel, com uma caminhonete. Este chegou a me rebocar com um cabo de aço ao redor de uma quadra inteira, mas a moto não pegou de jeito nenhum.

 

Passei a mão no único telefone público do local e tentei falar com o mecânico que arrumou a minha moto em Bariloche. Mas quem disse que consegui ligação naquele fim de mundo! Aí que a coisa preteou de vez e comecei a ficar nervoso.

 

Depois de tanto sofrimento, é que surgiu a idéia de trocar as velas, tarefa que não foi tão fácil, pois é preciso desmontar primeiro o radiador para se ter acesso às velas. Mas com o empréstimo de algumas ferramentas do funcionário do hotel, consegui trocar sem problemas. Então foi só encostar no botão de partida e a moto pegou. Aha! Que alegria! Aquilo sim que foi um alívio. Poderia continuar minha viagem.

 

Como já eram 13:00h, decidi não perder tempo em conhecer a Cueva de las Manos e segui direto para Chalten (Fitz Roy), após ter pago uma cerveja para o homem que me ajudou, é claro. Mas o que eu não imaginava é que o dia estava por começar. Os primeiros 330 km até Três Lagos foram sem dúvida nenhuma, o trecho mais difícil de toda a viagem. Era deserto e mais deserto, onde eu via mais ou menos um carro a cada hora que passava, mas o que tornava esta estrada de rípio difícil e também muito perigosa, era o vento que vinha do lado do Pacífico soprando em uma velocidade surpreendente de até 120 km/h. Nunca tinha visto coisa igual. A moto andava completamente deitada, mesmo andando em linha reta. O vento, em uma rajada, chegou a me lançar da estrada para fora, quando eu andava perto dos 100 km/h. Por pouco não fui para o chão. Quando cheguei ao posto de combustível de Três Lagos, a moto estava andando só com o cheiro da gasolina. Quase que fico sem combustível. Os 134 km até Chalten não foram nem um pouco melhores, a não ser quando comecei a avistar de longe o morro de Fitz Roy com seus 3.405 m de altura, o que ofereceu um visual impressionante.

 

Enfim são e salvo, consegui chegar à cidade de Chalten, e logo fui à procura de um lugar para armar minha barraca. Desta vez, o melhor lugar foi ao lado de um rio, onde já tinha alguns franceses acampados. Fiz questão de armar a barraca de frente para o morro para que eu pudesse ficar apreciando-o.

 

Imagino que os franceses, vendo o meu estado lastimável, ficaram até com pena de mim e me convidaram para tomar um vinho. Isto foi perfeito. Após o brinde, fui até o centro procurar um lugar para tomar um banho, e comprar algo para comer. Voltei para a barraca com uns pães e uma garrafa de vinho Santa Ana, superbarato, pois estava com vontade de comemorar aquele dia que passou, é claro que a inspiração na escolha da bebida deu-se daquele brinde com os franceses. Sequei a garrafa olhando para o morro Fitz Roy pela cortina de minha barraca, e naquela posição acabei dormindo igual a uma trouxa.

 

Essas economias nos vinhos baratos, às vezes não são muito aconselháveis, mas mesmo com muita ressaca e dor de cabeça, levantei cedo, fui conhecer a cidade e dar uma volta para apreciar a linda paisagem aos arredores do morro Fitz Roy. Logo após o passeio, decidi viajar até Calafate e em seguida conhecer o tão esperado Glaciar Perito Moreno. Novamente peguei muito vento na estrada, porém este foi compensado, pois tive a oportunidade de assistir ao espetáculo do vôo dos Condores, que é algo muito interessante, principalmente quando eles pousam e decolam. Os Guanacos agora estavam por toda parte.

 

Em Calafate, parei apenas para abastecer, e toquei direto para os glaciares. O tempo começou a piorar, mas quando comecei a ver os primeiros vestígios de icebergs, acabei esquecendo a chuva. Para explicar a beleza do glaciar Perito Moreno, não tenho palavras. As formações de gelo que se preservam ainda da era glacial são tão grandes que atingem 80m de altura e 3,5km de largura. O oxigênio que esta dentro do gelo dá ao mesmo uma coloração azulada quando em contato com a luz. É um visual impressionante. Cheguei a gastar horas ali apreciando o glaciar até que pude ver um desprendimento de gelo razoavelmente grande, o que causou um barulho gigante e uma cena inesquecível.

 

Para pernoitar, ainda rodei alguns kms para chegar ao camping Lago Roca, onde fui muito bem recebido. O camping é muito bonito, e no lago se pesca muita truta, mas o que fiquei namorando foi uma pena de Condor que eles tinham de enfeite. Era simplesmente enorme. Neste dia havia rodado 372,50 kms.

 

O último dia do ano começou com chuva e muito frio e ainda não sabia onde iria passar a virada do ano 2.000. Passei novamente por Calafate, onde conheci um brasileiro chamado Pedro (SP), que também estava se aventurando sozinho. Viajamos praticamente juntos, cruzando novamente a aduana para entrar no Chile e chegar ao Parque nacional Torres del Paine, porém eu de moto debaixo de chuva e ele em uma sofisticada Pajero.

 

Torres del Paine é um enorme parque no sul do Chile, que é considerado uma das grandes belezas do mundo. Suas formações rochosas são formadas por rochas vulcânicas, dando à mesma várias cores bem definidas. Como o próprio nome já diz, as Torres é que não faltam nos pontos mais elevados do parque. Para conhecer bem este local, é possível fazer caminhadas de até uma semana, e só para se ter uma idéia do tamanho do local, é possível andar mais de 130kms em estradas dentro do parque.

 

Ainda chegando ao parque, fomos direto à administração, para pedir informações. Como seria impossível armar a barraca naquele dia, devido ao frio, a chuva e ao vento, decidi ficar em um refúgio (local parecido com um pequeno albergue) e o Pedro foi para um hotel, que com certeza era bem mais confortável.

 

Este refúgio era um local muito agradável, com um fogão a lenha bem ao centro, onde pude secar todas as minhas roupas. Conheci muita gente aventureira que estava lá de todas as formas, e lá dormíamos todos no mesmo quarto, sem distinção de cor, raça ou sexo. Neste refúgio, conheci dois alemães muito bacanas chamados Jan e Heiko, que eram da antiga Alemanha Oriental.

 

Para a grande virada do ano, combinamos jantar no hotel em que Pedro estava. Foi muito divertido. Tomamos uns champanhes a mais, e depois, somente com os alemães, fomos em uma festa dos funcionários do parque (sem ser convidado, é claro). O pessoal estava assando um carneiro, estavam completamente bêbados e pareciam querer arrumar confusão conosco. No galpão onde foi promovida a festa, havia inúmeras cabeças de guanacos, que eram estudadas para descobrirem a causa de suas mortes, sendo que a maioria era de ataques de pumas.

 

O dia seguinte amanheceu com um tempo muito bom, sem chuva porém com muito frio. Neste dia fiz um grande passeio pelo parque. Primeiro conheci o lago Grey com seus icebergs e glaciares, e depois segui para as torres onde se encontra o lugar mais bonito do parque. Os ventos estavam muito fortes e constantes. Em alguns lugares, mal conseguia ficar de pé para tirar uma foto.

 

Armei a minha barraca no camping Las Torres. Encontrei novamente os alemães e ficamos até tarde da noite jogando conversa fora. Tinha rodado aproximadamente 80 km neste dia.

 

02.01.2000, pelas 10:00h da manha, após ter tomado o café da manhã, me despedi dos alemães e também do parque Torres de Paine e segui para o sul, até Punta Arenas. Na noite que passou, tinha dormido muito mal, o que não me fez bem para este dia. Rodei uns 470 km e conheci lugares muito interessantes como a caverna do monstro Milodon, animal pré-histórico que viveu lá há muito tempo. Inclusive ainda existem alguns ossos expostos no museu da caverna. E também conheci a pinguinera de Otway. Lugar muito bonito, repleto de pingüins de Magalhães, que vão sempre no verão para lá para se acasalarem. São tão mansos, que dá para ficar bem ao lado deles. E finalmente cheguei a Punta Arenas, onde achei um hotel barato para dormir. Saí para jantar, e conheci dois brasileiros que trabalham no navio que faz apoio para a base de pesquisa brasileira na Antártida, serviço que deve ser muito interessante, porém, segundo eles, nem um pouco agradável.

 

Mais um dia se passou e agora estava prestes a cruzar o Estreito de Magalhães e entrar na Terra do Fogo. Gostaria de ter pego um ferry que sai de Punta Arenas e cruza direto para Polvenir, mas este sairia apenas às 16:00h, e isto seria muito tarde. Em função disto, rodei uns 180 km a mais só para pegar o ferry em Punta Delgada. O dia foi inteiro debaixo de chuva, e até lá seria o dia mais frio da viagem. Era de congelar até o pensamento. Após 625 kms e depois de ter cruzado novamente para a Argentina, estava em Ushuaia. Finalmente tinha chegado ao meu destino final, na cidade mais austral do mundo. Estava muito contente, pois, mesmo com todos os problemas que já haviam acontecido eu os tinha superado e atingido a minha meta. E agora, daqui para frente, o que eu conseguisse fazer de quilometragem seria lucro. Na cidade de Ushuaia, seguindo a recomendação do Iguaçu, fiquei na Pensão do Pedro e da Ilda Sanches. Lugar muito simples, porém muito legal. Nesta pensão estavam alojados o guia Ivan e alguns curitibanos, os quais estavam fazendo uma expedição com um ônibus semelhante à minha, porém ao contrário. Agora sim me sentia em casa, pois não precisaria me preocupar em levantar cedo no outro dia para seguir viagem, pois ficaria no tão bem falado “Fim do Mundo” por alguns dias.

 

No dia 04.01 eu rodei apenas 10 km para levar a minha moto a um mecânico (Moto Pablo), pois ela estava com problema novamente no rolamento da coroa e no carburador. Tirei aquele dia para passear na cidade, que é muito bonita. À noite, fui convidado para comer um Borrego na pensão onde estava. Tomamos todas e mais todas, e foi muito engraçado, pois cada um contou um pouco do que já tinha passado nesta viagem maluca ao fim do mundo. E o borrego, preparado pelo falador Pedro Sanches, estava mesmo muito gostoso.

 

No dia 05/01, primeiramente fui buscar minha moto na oficina. O conserto não foi barato, mas foi feito uma revisão geral, tendo sido trocados as pastilhas de freio, o rolamento da coroa, limpado o filtro de ar e foi dado uma engraxada geral. Com a moto pronta, fui conhecer o parque nacional Tierra del Fuego, e cheguei à baía Lapataia, onde se encontra uma placa indicando o final da estrada, ou seja, para conhecer o mundo daqui para frente, terá que ser por um outro meio de locomoção. Vi vários castores e suas represas e também lagos magníficos. Na cidade novamente, peguei um barco chamado Barracuda, que foi até o canal de Beagle (canal que une os oceanos Pacifico e Atlântico), onde vimos muitos lobos marinhos e pássaros. Fizemos o contorno no Farol Les Eclaireus e voltamos para o continente. Ainda naquele dia, subi de moto em uma montanha bem alta, de onde pude ver a cidade por completo com um visual muito bonito. A noite foi regada de cerveja num Pub da cidade.

 

9:00h do dia 06, eu estava me despedindo dos amigos que ali tinha feito e também daquela cidade que por tanto tempo foi meu sonho, e agora se tornaria inesquecível e me punha em direção norte, caminho que me levaria novamente para casa. Porém, como previamente programado, não voltaria pelo mesmo trajeto, pois agora estaria costeando o oceano Atlântico em território argentino. Mas para sair da Terra do Fogo, teria que entrar novamente no Chile, cruzar o Estreito de Magalhães e voltar para a Argentina. Passei pelas duas aduanas e ainda toquei até Rio Gallegos, tendo rodado no dia 578 kms. À noite ainda troquei o óleo da moto e acabei dormindo numa pensão. Fazia muito frio.

 

Após uma bela noite de sono, parti cortando aqueles ventos fortíssimos de Rio Gallegos, sentido Comodoro Rivadávia, que se encontrava a mais de 800 kms. Porém, no caminho, a 25 km da cidade San Julian, senti que minha moto teria algum problema por que vibrava muito, dando a impressão de que algo estava desbalanceado. Parei a moto e, para minha surpresa, o pneu tinha perdido um pedaço da borracha, tal como fosse um pneu recapado de um caminhão. O problema era muito sério, porque metade do pneu ficou exposto à lona, e estava a pouquíssimos milímetros para chegar na câmara. Consegui chegar na cidade e fui direto à primeira borracharia que avistei. Perguntei ao borracheiro da possibilidade de encontrar um pneu para minha moto na cidade, e sua resposta com uma risada foi de que só encontraria em Comodoro Rivadávia que fica a nada menos de 426 kms, e se fosse para encomendá-lo pelo correio, isto levaria pelo menos dois dias, isso sem mencionar o preço que pagaria.

 

Decidi não desistir tão cedo, e entrei na pacata cidade de San Julian em busca de uma outra solução. Entrei numa oficina de carros, onde fui muito bem recebido com uma cuia de chimarrão. Um dos mecânicos me levou até a casa de um amigo que fazia trilha de moto, e lá consegui comprar um pneu cross, igual aos que uso para fazer Enduro. Achei que esta opção seria melhor do que esperar aqueles dois dias. Comprei o mesmo e acabei trocando-o na oficina sem pagar um só tostão.

 

Após um belo de um suador, pensando que agora estaria tudo em ordem, constatei que a suspensão tinha quebrado em sua base. A sorte é que consegui encaixa-la de forma que não caísse muitas vezes no caminho até Comodoro.

 

Seguindo viagem, na parada para o almoço, brinquei com um filhote de Guanaco que tinha se perdido de sua mãe, e os donos do restaurante o adotaram como cão de guarda. Ele era muito engraçado, mas fiquei um pouco com pena, pois ele estava tentando mamar até no pára-lama da moto. Nesta mesma parada, conheci um argentino chamado Walter, que também viajava de moto, e seguimos viagem juntos. Acampamos naquela noite num Camping em Comodoro Rivadávia, onde ventava muito. Ainda antes de dormir, tomamos umas cervejas na cidade.

 

Amanheceu o dia 08/01 e fomos logo cedo à procura de um pneu apropriado para minha moto. Após a compra, também aproveitei para soldar o suporte inferior da suspensão, a qual tinha quebrado. Hoje o destino seria rodar 436km até a linda praia de Puerto Madryn. As coisas começaram a melhorar, pois os ventos diminuíram e o clima começou a esquentar.

 

Por ser um sábado, aquela praia estava cheia de gente e com muita mulher bonita. Passamos o resto do dia só apreciando o local, e à noite armamos nosso acampamento num ótimo camping. O cansaço tomou conta de mim, e acabei capotando em minha barraca.

 

No domingo, dia 09/01, após o café da manhã, fomos fazer o trajeto que circunda a Península de Valdéz. Um trajeto longo, de 462km, mas extremamente bonito. Lá passamos por Puerto Pirâmides, Punta Delgada, Punta Norte e retornamos para Puerto Madrin. Os Lobos Marinhos, Elefantes Marinhos e Pingüins que lá vivem, são, sem dúvida nenhuma, algo espetacular, sem contar a paisagem, que é formada por paredões de rochas costeadas por uma água azul cristalina do oceano Atlântico. Só não tivemos a sorte de apreciar nem as Baleias nem as Baleias Orcas. Ainda quando estávamos na península pelo rípio, senti que uma curva ficou difícil de fazer devido à velocidade que andávamos, e após, pelo espelho retrovisor, só vi um risco de poeira. Voltei e vi o Walter ajuntando sua moto, pois tinha passado direto na curva. A sorte é que a moto apenas furou o radiador, o qual com um pedaço de dure-pox conseguimos consertar. À noite, a festa foi num Pub da cidade, onde pudemos tomar uma saudosa Brahma de fabricação brasileira destinada à exportação.

 

Com certeza ficaria em Puerto Madrin se tivesse mais tempo, porém, como já programado, teria que seguir para frente.

 

Partimos na segunda-feira pela manhã com destino à Viedma (473km). Ainda antes de pegar estrada, troquei o pneu traseiro de minha moto, o qual havia comprado em Comodoro Rivadávia. A primeira parada neste dia foi em Sierra Grande, onde visitei uma enorme mina de ferro. Fomos em um grupo de umas dez pessoas e fizemos o Tour-aventura, que faz uma caminhada pela mina, de 2 horas, onde, em alguns locais era necessário fazer rapel. Chegamos até andar de barco dentro da mina que, em partes, chegava a 60 m de profundidade. Seus inúmeros compartimentos fazem desta mina a maior da América Latina, em se tratando de ferro.

 

O Walter não quis fazer a visita, e seguiu viagem. Nos encontramos novamente no camping municipal de Viedma, onde passamos a noite. Para ele, a viagem de moto tinha chegado ao fim, pois sua moto estava com alguns problemas na corrente, mas sem dificuldades, conseguiu uma carona de caminhão até Buenos Aires.

 

Sorte ou não, a minha moto ainda estava em condições de seguir viagem. Saí cedo de Viedma, para poder percorrer os 962 km até Buenos Aires, a tempo de pegar a balsa que cruza até Colônia de Sacramento, no Uruguai. Cheguei ao destino quando já era noite. Então decidi ficar em uma pensão barata que haviam me indicado.

 

Ansioso para chegar novamente no Brasil, mas ainda com muito chão pela frente, parti pela manhã de Colônia de Sacramento. O roteiro escolhido foi, com certeza, bem aproveitado, pois, após uma rápida passada em Montevidéu, fui rever a praia Punta del Leste que já havia conhecido quando criança, que é uma cidade linda e interessante. Acho que seria uma ótima cidade para passar um fim de semana, com bastante dinheiro, é claro. Também visitei La Paloma, que, além de muito bonita, é famosa por seus inúmeros cassinos.

 

Um fato interessante que ocorreu foi com a diferença de clima, pois agora estava fazendo um calor quase que insuportável, e para quem estava vindo de temperaturas de 2ºC, não foi nada fácil de se acostumar.

 

Finalmente, depois de 25 dias fora da terrinha, cruzei de volta a aduana de Chuí, no extremo sul do Brasil. Ainda rodei até a cidade de Rio Grande, para ser mais exato até a praia do Cassino, onde acampei no camping municipal. A cidade estava cheia de gente, especialmente pelo motivo de que naquele camping começaria no outro dia um grande evento, com várias bandas que iriam se apresentar durante alguns dias. À noite ainda aproveitei um pouco da festa do local.

 

Nas manhãs seguintes as festas, nunca era possível acordar tão cedo, então quando parti do camping, já passava das 10:30h.

 

Nesta manhã estava com um impasse a ser resolvido. Teria duas opções para chegar em Porto Alegre. Ou pegar pelos caminhos normais, passando ao lado esquerdo da lagoa dos Patos e cruzando por Pelotas, ou pegar uma balsa para ir até São José do Norte e encarar o lado direito da Lagoa dos Patos, tendo mais duas opções de trajeto. Ou subir pela famosa Estrada do Inferno, que é o começo da BR 101, tendo seu solo completamente arenoso, ou subir alguns metros ao lado direito desta estrada, porém beirando a água do mar pela areia.

 

A opção escolhida, por sinal não foi a dos caminhos normais. Ainda quando perguntei aos nativos do local como seria a Estrada do Inferno, me falaram que se passasse por lá pagaria todos os meus pecados, pois de moto seria muito difícil em função da areia seca e fina ser muito mole. Decidi então, depois de cruzar a balsa, que iria pela areia da praia, costeando o mar.

 

No começo foi tudo legal, ainda quando a areia estava meio dura. Mas esta alegria durou pouco. Em poucos metros rodados, a areia ficou muito mole, e minha moto, que pesa mais de 200 kg estava muito difícil de controlar. Mas pensei que poderia melhorar, e não desisti. Mas quanto mais andava, parecia que sempre piorava. E para deixar a coisa ainda mais difícil, o vento e o calor estavam insuportáveis. A sensação era de estar andando no deserto do Saara, pois não se via uma casa sequer, e a imensidão de areia era incalculável. Uma vez ou outra, se via alguém pescando na praia.

 

Já tinha praticamente me arrependido de ter feito aquele trajeto, quando a suspensão de minha moto que já havia sido soldada quebrou novamente. E o problema é que desta vez ela não ficava mais encaixada por muito tempo, pois a solda fazia com que a suspensão sempre caísse. E quando ela caía, era difícil de encaixar, pois o pé da moto enterrava na areia.

 

Foram 80 km até o primeiro vilarejo chamado de Bojuru, onde conversei com alguns pescadores os quais me perguntaram se eu sabia que a barra da lagoa estava aberta. Aí perguntei: que barra da lagoa? Foi então que me disseram que existe uma barra a uns 50 km dali, que une o mar e a lagoa dos Patos, quando aberta, e que não seria fácil de cruzar. Mas eles me deram uma dica, que eu deveria de fazer. Costear barra adentro por uns 4 km e após umas casinhas seguir as taquaras fincadas no meio da Lagoa, pois lá não seria muito fundo.

 

Já estava desanimado, e com mais esta, quase desisti. Mas desistir e fazer o quê? Toquei em frente, fazendo muita força para equilibrar a moto e encaixando a suspensão quase a cada 2 km. Cheguei à barra e segui o conselho dos pescadores, e quando vi onde deveria cruzar, fiquei ainda mais preocupado. Eram praticamente 1 km por dentro da barra da Lagoa dos Patos, passando por 3 pequenos bancos de areia.

 

Foi uma experiência formidável, pena não ter ninguém para compartilhar tamanha emoção. Apesar de ser bastante liso, a profundidade não passou de 25cm. Cheguei a descer da moto no meio da travessia, colocar cuidadosamente a moto no pé, e tirar uma foto, mas por 1 segundo que o pé não enterrou e derrubou a moto dentro da água.

 

Ainda peguei 10 km da Estrada do Inferno, a qual de cara deu de entender o porque de seu nome, e finalmente veio o tão esperado asfalto. Foram no total 140km de areia.

 

Cheguei à Mostardas, e soldei novamente a suspensão em uma pequena oficina, e aproveitei para tirar o sal da moto. Em Porto Alegre cheguei perto das 10:00h, e ainda saí para jantar com minha amiga Aline. De toda a viagem, esta foi a segunda vez em que pensei que não iria cumprir com o previsto.

 

Agora já mais perto de casa, saí de Porto Alegre no dia 14/01 e rodei até Piçarras, onde passei o fim de semana com meus familiares e amigos, destampando várias para comemorar.

 

Mas como minha viagem terminaria apenas quando chegasse em casa, na tarde do domingo subi a serra debaixo de uma chuva fortíssima, mas cheguei novamente ao local da partida quando já escurecia. O odômetro marcava 45.412,90, tendo rodado um total 14.001,00 km.

 

A alegria era grande, pois mesmo tendo passado pelos mais diversos obstáculos eu tinha vencido tamanho desafio.

 

17/12/99, 6h00, em casaA logo desenhada por Angelo SousaRetões intermináveisPrestes a cruzar do Uruguai para a ArgentinaAtropelamento de insetosComeço do desertoEntrando na PatagôniaA perder de vistaSuper Teneré 750, minha companheiraLago antes de BarilochePra quebrar a monotonia deserticaNoites em barracaFoto para puzzlePasseio no trajeto ChicoEric e Gail Hawes, viajantes de mundoGuanacosDa Argentina para o ChileParques Nacionais chilenosforça....Caminhos alternativosVulcão Villa RicaPreparando para escalarParada para almoçoEscalada cansativaNo cume, 2.800 metros ao nível do marChegando lá!Vulcão em atividadeMascaras pelo cheiro de enxofreAmigos austríacosA descida foi mais rápidaRípio, estrada de chão...Quedas de PetrobuéTirando água das botasLuiz e Juan AntônioTrilhasMolhados pela chuvaRiosAo fundo, um glaciarLindas paisagensLago General CarreraLago com muitas trutasRuta 40, com ventos do oeste de mais de 100km/hProbleminhaCom solução!!!Ao fundo, montanha minha xará! Fitz RoyRegião de CondoresGlaciar Perito MorenoCom paredes de 80 metros de alturaLindo, lindo, lindoShowGuanacosRefúgio onde passei o ano novoParque Nacional Torres del PaineMontanhas vulcânicasGuanacosShowPonteAmigos alemãesEstreito de MagalhãesLago em UshuaiaFim da estradaLocal que eu tanto sonhava em chegarPasseio partindo de UshuaiaVida marinhaVista de UshuaiaPedro e Ilda Sanches, em sua pensãoUpsPneu de cross para andar no asfaltoGuanaco filhotão aindaAmigo argentino walterPuerto MadrinPenínsula ValdesShowElefantes marinhosPinguin cheio de poseEstrada novamenteMina de Ouro em Sierra GrandeEstrada do InfernoÚnica opção: cruzar 900 metros pela barra da Lagoa dos PatosAgua salgadaAté a próxima...

Deixe o seu comentário

Seu email não será publicado ou partilhado. Os campos marcados com * são obrigatórios.

*
*



6 comentários. Confira:

  • Que aventura! espero que a nossa viagem não tenhamos tantos problemas.
    Abraço.

    Adalto da Silva
  • Parabéns Roy. Muito aventureira e legal a viagem! Serve de inspiração. Abraço.

    Léo F Peron
  • Legal demais essa viagem hein!!!! E antes não tinha as fotos, né? Show!!! Aliás, Roy, algum desses eu preciso ir até São Bento trocar umas idéias com você…to pensando em fazer umas loucuras ai e acho que você deve ser um bom conselheiro…rs

    Abraço!

    Vinicius
  • Roy, tudo bem meu amigo? Já fiz parte do seu trajeto, e confesso que tudo o que vc relatou é verdadeiro e sensacional. Um dia volto prá lá, com certeza, e de novo de moto, claro!

    Um abraço

    Nelson

    Nelson Valandro
  • Oi Roy,
    Como deve ter visto eu sou o Rui, e temos algo em comum, fiz esse caminho todo que vc fez até Ushuaia, só que não de moto e sim numa Tucson, eu e minha mulher. Planejei isso durante anos e consegui realizar isso de Dez. a Jan. de 2009/10. Estive em alguns lugares diferente de vc, pois fui até Santiago e Vina del Mar, de resto quase tudo igual. É algo para ficar na memoria para sempre, agora imagino a outra que vc fez, essa não teria coragem. Tenho planos de algo grandioso mas velejando com meu veleiro pois a idade já pesa um pouco nas minhas costa. Mas foi bom ler seu relato e relembrar muitas passagem que vc fez e eu tb.
    Um grande abraço,
    Rui

    Rui Alcide Talaia
  • Que viagem legal heim, parabéns pela sua determinação, imagino eu que não foi nada fácil vencer esses kms todos em cima de uma “magrela”, aventura total! Não tens algumas fotos pra divulgar?

    Rodrigo

Patrocinador

Apoiadores

Victória Motor Homes
Xthor
Sol Paragliders
EBPM

2013 © Mundo por Terra

www.scriptsell.netLargest Online Shopping and Fashion Network