Carro

Lobo da Estrada, Mundo por Terra
A escolha do veículo ideal

A fase da escolha, procura, compra e preparação do carro foi uma verdadeira novela. Após muita conversa, pesquisa, idas e vindas, decidimos por um carro pequeno, leve, econômico, prático, ágil, robusto e com tração 4×4. Somadas a essas exigências o carro deveria oferecer conforto, segurança e espaço, afinal a viagem duraria cerca de mil dias, quase três anos. Este carro seria nosso meio de locomoção, quarto, cozinha, sala e escritório. Na época, as possibilidades que existiam no Brasil nos levaram a umLand Rover Defender 130.

Como queríamos construir um motorhome no lugar de sua carroçaria, ele comportou-se bem, tanto em capacidade de carga (1300kg), como em tamanho, apesar de que aumentamos o comprimento original do veículo em aproximadamente 50cm. Se compararmos nosso carro a muitos que encontramos durante a viagem, poderíamos dizer que ele era grande por dentro, devido ao conforto e segurança e pequeno por fora, quando levamos em consideração a boa capacidade off-road.

Alguns pontos que levamos em consideração para a compra do carro:

  • Número de passageiros: 2;
  • Intenção de morar dentro do carro, construindo um motorhome para isso;
  • Probabilidade de pegar muita estrada de chão, devido a nossa viagem ter tido seu foco nos países de terceiro mundo;
  • Necessidade de baixo custo nos translados marítimos. Para baixar este custo, projetamos nosso carro para caber em um container de 20 pés;
  • Facilidade em manutenção. O Land Rover é um carro mundial, ou seja, peças não são tão difíceis para se achar. Nesse quesito, porém, existem carros mais comuns no mercado, como o Toyota.
  • É importante que o carro tenha funcionamento mecânico, e não eletrônico, a exemplo da maioria dos carros novos. Poucas oficinas possuem tecnologia para trabalhar com eletrônicos no terceiro mundo.
  • Paixão por Land Rover, sendo que esse defender é o quarto Land Rover que tivemos.

Construção e preparação do carro
Sem jamais ter feito algo parecido, decidimos que iríamos gerenciar a construção do motorhome. O amigo Juliano Fröhner cuidou do projeto externo do “Lobo da Estrada”, nome que carinhosamente demos ao nosso novo companheiro e certo dia, em um papo de boteco, convencemos o latoeiro IKA (Latarias Alquini) a construí-lo. Dizemos convencer pois ele também jamais tinha feito algo parecido.

Projeto externo feito pelo Juliano Fröhner

Projeto interno feito por nós

Vejam os cuidados que tomamos para construí-lo


O carro precisava ser leve e muito resistente e entre as possibilidades da fibra ou chapa metálica, optamos por construir uma armação tubular (TUPER) e revestí-la com chapa metálica de alumínio (rebitado) com 1mm de espessura. Tudo isso foi coberto por uma pintura epóxi para dar maior durabilidade aos materiais. Chegamos em um peso vazio interessante de +/- 500 kg, para um carro de capacidade de carga na ordem de 1.300kg.


Imaginem passar quase 3 anos morando em um espaço de um pouco menos de 4m² (somente motorhome, sem a cabine do carro)! Ergonomia seria a palavra chave para qualquer decisão na hora de projetar. Criamos, então, um motorhome com 2.70m de altura (a partir do chão), dentro do qual podíamos ficar em pé. Porém, 2.39m é a altura do container de 20 pés, sem contar os 10 centímetros de testeira que serve como batente de sua porta. Para o carro entrar no container desenvolvemos um chapéu fixo apenas por dois parafusos na frente, que servem como uma dobradiça, e por trás trancado por duas fechaduras de capô de Scânia, que travam o teto por dentro. Esse teto podia ser removido para que o carro coubesse dentro do container, além de ter ficado extremamente útil, pois quando aberto, melhorava a circulação de ar.

A carroceria original da Defender 130 possuía 1.75m de comprimento e, devido esse tamanho não ser suficiente, construimos o motorhome com 2.10m, mas tudo dentro das normatizações do INMETRO.


Uma passagem entre a cabine e o motorhome se fez necessária, pensando, desta vez, na segurança e conforto. Cortamos a traseira da cabine e fizemos a emenda com 3 camadas de lona e um isolante térmico, que foram fixados com rebites. Esta passagem necessitou ser flexível devido a cabine do carro ser independente da carroceria, trabalhando uma em relação a outra.


O piso foi revestido por chapas de alumínio rugosas e para dar mais aconchego e esquentar o ambiente, colocamos um tapete no corredor, escondendo aquele piso frio “de ônibus”.


Forração/ isolamento térmico e acústico. Para este fim, o qual é um dos mais importantes a serem “bem” feitos devido aos diferentes climas e temperaturas que passamos, utilizamos placas de poliuretano de 2 e 3 cm (dependendo o local) recobertas por uma napa sintética bege, que deu o acabamento final.

Para a construção dos armários e bancada, usamos uma chapa tipo fórmica de 4mm com alta resistência e a prova de fogo, o que nos deu segurança na hora de utilizar o fogão sobre a bancada da pia.


O layout interno do veículo foi desenhado partindo do seguinte princípio: deveria permitir a existência de um corredor que partisse da porta traseira, cruzasse todo o carro e chegasse à cabine sem interrupções. A solução ficou assim: para quem observa o espaço olhando da porta traseira, do lado esquerdo ficaram a pia e o armário maior – para mantimentos, louça e panelas. No lado direito foi colocada uma cama escamoteável de 1,20m de largura (aberta) que quando fechada, serviu de bancada de trabalho e refeições. Por baixo, no lado direito, aproveitamos para colocar mais armários. Todos os armários ganharam portas de correr, assim não roubavam espaço do corredor quando abertos.


Comidas e utensílios da cozinha eram organizados em caixas de palha, que exerciam uma função similar a uma gaveta.


Embaixo da pia situava-se nossa geladeira/ freezer Waeco com capacidade de 50 litros e possibilidade de chegar em -18 graus.


O fogão portátil quando usado dentro do carro era colocado ao lado da pia. Este fogão, da marca Coleman, possui duas bocas movidas à gasolina, ou melhor, a gás gerado pela gasolina. É simples, você enche um pequeno botijão com um litro de gasolina, bomba-o manualmente e gera o gás para a combustão. Essa foi uma ótima alternativa para quem transita em tantos países, pois se o fogão fosse a gás propano, teríamos dificuldade em encher ou comprar botijões, sendo que as conexões variam de um país para outro. Com este fogão à gasolina, a única dificuldade que poderíamos ter é se o combustível não fosse limpo, pois poderia entupir o queimador, o qual pode ser facilmente limpo.


Da marca Coleman, adquirimos também um pequeno forno desmontável adaptável a qualquer fogão de acampamento. Ele se sobrepõe a uma das bocas e é aquecido quando seu prato metálico inferior fica em contato direto com a chama. Na verdade ele fica exatamente como se fosse uma panela, porém é um forno. Como esse forno possui um pequeno termômetro em sua porta, sabemos que é possível passar de 200º C em seu interior.


Retiramos o assento traseiro da Defender 130 e na parte inferior fizemos nossa caixa d’água, com capacidade de quase 100 litros. Foram montados sete braços de tubo PVC de 150mm, distribuídos no assoalho em sentido longitudinal. Os braços eram conectados por junções em formato “U” e “T”. Isso compartimentava o líquido, não permitindo que se movesse bruscamente de um lado para o outro nas curvas mais acentuadas, ajudando a não prejudicar a estabilidade do carro. A água era bombeada por uma pequena bomba, dessas usadas em lanchas – capacidade de 2,5 galões/min –, para as finalidades de chuveiro e pia.

Fazia parte do sistema de água um filtro de cerâmica, o qual tirava 99,99% das impurezas, deixando a água potável. Era um filtro normal, de cozinha.


Sobre a caixa d’água colocamos duas caixas de madeira que serviam para guardar nossas roupas. Não foi muito útil, pois as roupas de baixo ficavam de difícil acesso. Gavetas teriam resolvido melhor esta questão.


Havia, também, um chuveiro conectado ao sistema de água. Nos lugares que tínhamos privacidade e quentes, tomávamos banho fora do carro. Durante a viagem, aprimoramos o sistema do chuveiro: adaptamos cortinas de box dentro do carro, próximo ao fundo do motorhome e quando tomávamos banho, a água escorria diretamente para fora, pela porta traseira, que ficava semi-aberta. Adaptamos, também, um aquecedor de água, o qual utilizava a água quente do motor para esquentar a água para banho. Mas para a água esquentar, o motor do carro tinha que ficar ligado.

Existem banheiros portáteis para motorhomes, mas optamos por não utilizá-los, devido ao espaço ser pequeno e ao possível mau-cheiro que pode causar.


Tínhamos um ventilador 12V e, nos dias de intenso calor, usávamos um tubo de spray (de ajax, por exemplo) para espirrar água em nosso corpo, e o vento do ventilador fazia o papel de resfriamento.

Instalação elétrica: 6 lâmpadas fluorescentes; luzes sobre as caixas de roupa; um conversor de eletricidade de 12V para 110V com capacidade de 300W e algumas tomadas para recarregarmos os equipamentos. Para maior segurança, instalamos uma chave geral próxima ao banco do motorista, tanto para os casos de prevenção de furto, como em caso de incêndio.


Devido a grande quantidade de equipamentos elétricos que utilizamos durante a viagem, fez-se necessária mais uma bateria, a qual era conectada com a bateria mãe através de um solenóide. Esse sistema é simples: todos os equipamentos extras estavam conectados na segunda bateria, a qual poderia perder toda a carga sem retirar um pingo de energia da bateria mãe, que é a primeira. Quando o carro estava ligado, o solenóide ativava e conectava as duas baterias, para que ambas recebessem carga do alternador. Quando desligado o carro, o solenóide separava as baterias. A segunda bateria era uma Deep Cicle, ou seja, pode perder carga até o fim, sem danificá-la.

Tínhamos um tanque sobressalente de combustível com capacidade de 65L. Não foi uma boa opção não termos o conectado com o tanque principal. Cada vez que precisávamos do combustível reserva, tínhamos que retirá-lo com uma mangueira e transpassá-lo com um outro galão para o tanque principal.

Utilizamos três tipos de pneus: Pirelli Scorpion, BF Goodrich AT e Bridgestone. Apesar do BF ser melhor para estradas ruins, o Pirelli e o Bridgestone foram mais duráveis.

Tínhamos dois estepes (um no capô prejudicando a visibilidade e outro no rack sobre o teto). Eventualmente hoje, levaríamos somente um estepe, pois com os reparos rápidos que existem no mercado, fica fácil concertar um furo no pneu.


Para situações de estradas difíceis, tínhamos duas Sand Traks, pranchas de aço super resistentes, para colocar embaixo dos pneus atolados. Mas para que estas pranchas fossem utilizáveis, tínhamos um High-Lift Jack, macaco de alta elevação, o qual utilizávamos para erguer a roda atolada. Ele tem a possibilidade de erguer o carro em até um metro e meio do chão.


Nosso salva-vidas nas estradas difíceis foi o guincho Ekron. Um mecânico EK-35 de 12.000 libras. Usamos tanto para nosso próprio resgate, como para ajudar terceiros.

Tínhamos, também, um snorkel adaptado no filtro de ar do veículo.


Com o aumento significativo de peso devido a construção do motorhome, a suspensão original não deu conta do recado. A trocamos por molas e amortecedores heavy-duty da Ironman, as quais proporcionaram uma melhora para o carro.


No teto, fixamos um rack onde localizava-se o segundo estepe, um galão de diesel sobressalente, o high-lift, uma pá, etc.


Tínhamos duas cadeiras altas para sentar dentro do carro e uma mesa com duas cadeiras para sentar fora. Sentimos falta de um lugar para sentar mais confortável dentro do carro.

Usávamos isolantes térmicos em todas as janelas para evitar o calor, bem como melhorar na segurança, quando o veículo ficava estacionado na rua.

Fixamos redinhas no teto da frente para colocar mapas, cadernos e papelada.

O toldo para que tivéssemos sombra, o qual planejamos fazer no caminho e não fizemos, nos fez muita falta.

__________________________________

Depois de tanto viajar, chegamos à seguinte conclusão: o carro só fica pronto quando a gente volta de viagem! São tantos os truques, macetes e adaptações que aprendemos com o uso, que começamos de um jeito e terminamos de outro. Achamos que a vida da gente é assim, vamos aprendendo pelo caminho e quando estamos quase sábios, termina a viagem. Bom, são estes os detalhes mais importantes da preparação do carro. Vários itens acima nos foram doados como patrocínio. Com o carro equipado, as únicas coisas necessárias foram coragem, espírito aventureiro, determinação e pé na estrada.

*** Existem alguns fatores cruciais na preparação de veículos para grandes viagens que gostaríamos de destacar: em tudo que você fizer, instalar, adaptar, grudar, amarrar, faça com que no uso, a ação não demore mais do que dez segundos para ser executada. Caso contrário, ela não será realizada. Tudo deve ser muito prático, de fácil acesso e execução. Nossa viagem durou mais de mil dias, imagine ter que desmontar e montar a cama mais de mil vezes se cada operação demorasse um minuto? Seriam quase 17 horas só fazendo isso. Parece preguiça, mas não é. É simplesmente o que experimentamos. Outros fatores são organização e levar somente o que é estritamente necessário.

*** Não é necessário ter um carro super equipado. Conhecemos pessoas viajando com todos os tipos de carros, dos mais equipados aos mais enjambrados. Todos estavam se virando diante de suas condições. Se o seu carro não está pronto para partir, isso não é problema, parta mesmo assim…

Patrocinador

Apoiadores

Victória Motor Homes
Xthor
Sol Paragliders
EBPM

2013 © Mundo por Terra

www.scriptsell.netLargest Online Shopping and Fashion Network